sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Virtually speaking

Virtualmente falando...

Eu si mi divirto com as minhas comuidadies, como meu umor vareia, sou chata estúpida e grossa, pareço legal mas sou um nojinho, inconstante, intensa e impulsiva, tenho personalidade forte, sou exigente, polemica, alta e magra, não sou só um corpinho bonito, tem mta cuca no lance. Falo pelos cotovelos mas as vezes finjo que não entendo, não sou cega estou ignorando mesmo, tenho umas vontades que vêm do nada e gosto do que não existe, dou indireta por nick do MSN, tenho sonhos malucos com detalhes, durmo com celular do lado, sofro por antecipação, meu passado me condena, sou nada perfeita, mas sou uma mulher com conteúdo, sou legal mas não abusa, sou uma heterossexual não praticante e acho sexo coisa de pervertido, vou é ler um livro, ah e meu anjo da guarda, é O cara. As melhores amigas são as minhas, apesar de serem desequilibradas, mas elas sabem, mesheu con vossë, mescheu conmigo. Se saudade mata, já morri.

Amo demais mas não acho que “te amo” seja “bom dia” , sou odiada por namoradas, estou a procura da felicidade, busco um amor que seja bom pra mim, que surpreenda-me, que faça uma loucura de amor por mim, mas só quero os mais complicados, meu príncipe ta vindo de jegue ou caiu e ta em coma, pra mim os mais gatos tem nariz grande. Já dei valor a quem não merecia, espero demais das pessoas e por isso, o que obviamente não presta me agrada e sou muito chorona. Tem dias que tudo da errado mas nada como um dia após o outro. Tenho dias que marcaram para sempre, nas dificuldades eu me supero, já fiz coisas inacreditáveis e o que importa é quem sou hoje. Sou apaixonada pela Europa, ainda vou estudar na Alemanha e já morei em Viena, falo sozinha em inglês e não aprendi alemão dormindo.


Não vim ao mundo por acaso, acredito em vidas passadas e na lógica da reencarnação, acho que as vezes vale a pena arriscar. Pessoas loucas me perseguem, dirijo xingando, pois ninguém sabe dirigir, só eu. E dirigir com mãe do lado não dá. Falar em mãe, se eu morrer, minha mãe me mata e tenho dó da lady murphy pois tudo que dá errado culpam essa pobre senhora e também do hidrogênio, pq ele não tem família. Adoro receber msg de madrugada, desde que não seja da operadora! Penso e logo não durmo, ansiedade tira meu sono, tenho depressão pos-sono. Nao tenho paciência pra fazer a social, mas foda-se eu sou rica e uma fina bem relacionada. Se Hay unanimidad, soy contra, acho retardado o seu preconceito, amo os gays e filho meu hetero? Tem que ser no mínimo gay pra morar embaixo do meu teto. Apesar de ser um fracasso como romântica, casarei de manhã, mimarei meu marido e meus filhos vão ser os mais lindos.


Não faço cerimônia pra tragédias, exemplifico expondo os outros, pergunto e acho q ofendo, sempre torço pros vilões, sou orfã da Nazaré, da Soraya Montenegro e da Paola Bracho. Ganho prêmios no banho, só uso sabonete johnsons, sou exagerada, adoro dublar as pessoas e Kiefer Sutherland é pra sempre Jack Bauer. Acho que Ivete Sangalo não tem xerox, viu Cláudia Leitte?Quero morrer comprando roupa na Zara, amo vestido e bolsa, não vivo sem mojito, me isento de filme ruim e no tunz tunz eu me revelo, quando me empolgo faço show, mas se não lembro, não fiz. E por favor não me encha o saco, vaza, sai, você ta atrapalhando.


Odeio ficar esperando, não tenho noção de distância e só não matei pq fiquei com medo do CSI. Acho q as vezes a melhor solução é abstrair, não trato com prioridade quem me trata como opção, lembre-se, me magoe com a pior verdade mas não me iluda com a melhor mentira.Quiçá, uma bela palavra. Odeio os músicos peruanos, sou aluna do Jamie Oliver, amo a Nigella, chamava F... mas mudei. Eu e minha garrafinha dagua não desgrudamos, sou viciada em combat e em jump, alopro atendendo meu iphone, e ignorar as vezes é preciso, não tô pra ninguém, morri, pois meu tédio depende do seu. Sou mestre na arte de evitar pessoas, mas já me despedi e reencontrei.

Já sonhei que estava voando, amo a Joyce Meyer e “Aclame ao Senhor”, acho q as mascaras sempre caem e mentira tem perna curta alem de que homem que trai o pipi cai. Me desculpem, eu tenho berço, sou consumista admitada sim e qse sempre preciso de um álibi. Nunca sei onde estacionei o carro, preciso me permitir ser a decepção de alguém, preciso ter calma. Häagen-Dasz de Macadâmia é um dos prazers da vida, nunca saio de casa sem rimel e delineador, já ouvi q o beijo dos leoninos é incomparável. Vou mudar pra outro planeta, vai rodar a baiana, rod stewart.

Tenho saudade de foto em net discada, lembro meu numero do ICQ, não sei beber no bebedouro, me empolgo quando toca Toxic e Womanizer, quero um Noah pra mim e me pergunto, onde está meu Matt? Já conheci gente legal na net, estou sempre elegantemente atrasada. Ryan Reynolds é perfeito, Julia Roberts, Angelina e Kate Winslet as prediletas. Quando vou sair me inspiro em Miuccia Prada e Carine Roitfeld. Pra mim, quem não dá assistência, abre concorrência depois perde a preferência e sofre as conseqüências. Palavras não corrigem atitudes, queria casar com o Mark Feuerstein, qse sempre tenho vontade de fugir pra um cantinho onde nada nem ninguém possa me incomodar, conhece algum? Aah! Cansei de dar explicações, não se preocupe em me entender, pois viver ultrapassa o entendimento. Achei que talvez fosse maluca, mas, louca eu? Imagina! Deve é ser chato ser humano.

É, as comunidades nos entregam... para ler ouvindo

domingo, 26 de outubro de 2008

Bipolaridade ou ansiedade?




Sempre me considerei ansiosa. Mamãe conta que quando pequena eu esperava tanto pelo meu aniversário, que ficava doente e por várias vezes ela antecipou a festa. Quando planejavamos alguma viagem, fosse para o interior paulista na casa dos meus tios, ou para a praia ou para casa dos meus avós, eu ficava agitada e sem sono uma semana antes.

Segundo o dicionário Aurélio, ansiedade significa: "Estado afetivo em que há o sentimento de insegurança". Confesso que no alto dos meus 24 anos, tento e até controlo essa ansiedade em alguns momentos. Hoje não fico mais ansiosa pelo meu aniversário, afinal, não fico mais feliz em ficar cada ano mais velha rs, muito menos para viajar a casa dos meus avós. Mas se for para uma prova, ou para tomar uma decisão importante, ou para visitar o namorado que mora longe, podem ter certeza, estarei uma pilha de nervos, sem comer (sim, perco totalmente a fome em momentos de stress e ansiedade) e principalmente, sem dormir.

Atualmente, tenho me sentido ansiosa por alguns motivos, especialmente por dois. O primeiro, meus documentos que ainda estou para retificar, a sentença já foi dada pelo juíz a mais de um mês e até agora nada do ofício para começar a correr atrás da troca, de sei lá, uns 10/12 documentos? Será que dará tempo até o fim do ano? Ainda queria fazer vestibular poxa vida! Quanto tempo levarei pra alterar cada um deles? Tantos planos, me sinto como uma adolescente que ganha a própria chave de casa e tem liberdade para sair e voltar quando quiser, ou de uma noiva às vesperas do casamento (ok, nunca me casei mas eu faço uma pequena idéia de como vou ficar quando chegar minha vez).

O transtorno bipolar define-se como: "Um transtorno caracterizado por dois ou mais episódios de alteração do humor onde o nível de atividade do sujeito está profundamente perturbado, sendo que este distúrbio consiste em algumas ocasiões de uma elevação patológica do humor e aumento da energia e da atividade (hipomania ou euforia) e em outras, de um rebaixamento patológico do humor e de redução da energia e da atividade (depressão)". Sinceramente creio que esteja tendo uma crise de ansiedade perante uma decisão importante, diretamente relacionada com o lado emocional de uma mulher apaixonada, sendo assim, uma reação inconscientemente superestimada e dramatizada (engraçada eu, não? me diagnostíco e sei como na verdade me sinto).

Não vejo a hora de poder viver minha vida, sei que posso voar longe, ter uma carreira brilhante, que me realize, que me faça conhecer novas pessoas, tenho potencial para tanto e definitivamente quero vencer na área profissional. Todavia também quero vencer na área pessoal, ao lado do meu marido, construir uma família com ele, ter uma bela casa com jardim e nosso cachorro, com filhos, ser uma mãe ultra-dedicada. Portanto, me auto-sugiro duas coisas: Paciência e Persistência. Paciência pela ofício do juíz (que não deve tardar a sair). Persistência para estudar muito, batalhar muito por um emprego legal.

Não preciso de fluoxetina ou prozac para lidar comigo mesma (nada contra quem precisa, existem pessoas que realmente necessitam), o que eu preciso é aprender a controlar mais e melhor essa ansiedade, esse desejo de tudo pra ontem, colocar na prática que O apressado come cru e que A pressa é inimiga da perfeição.

Ps. Agradecimentos sinceros aos amigos que têm me "aturado" só falando disso nas últimas semanas.

Música da semana: Keane - Better Than This (Você pode Mais do que isso!)

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Amo Saia Justa!


Não, não estou falando daquele acessório feminino (que por sinal tb gosto, mas não tao justa assim, pq tenho coxas grossas rs).

Trata-se do excelente programa do canal GNT da Net ou Sky, que é exibido todas as quartas-feiras e tem em seu "elenco", Monica Waldvogel, Betty Lago, Maitê Proença e Marcia Tiburi. Mas por lá já passaram Luana Piovani, Rita Lee, Ana Carolina, mas particularmente? Essa é a formação que mais me agrada.

Cada uma tem sua visão dos assuntos/perguntas e nunca, repito, nunca teve um programa chato sequer, ou seja, é o programa que não perco, então já sabem, de quarta, não marquem compromisso comigo.

Pois bem, o motivo do meu post aqui hoje, também é para citar que ontem, eu estava assistindo o programa, na minha cama, após ter gritado meu pai para que matasse uma barata enorme que tinha na minha janela, quando então, na sessão de cartas, a Mônica começa a ler uma pergunta que eu havia enviado pra ela no mês passado no seu email particular (tá, nao vou passar aki, pq oi? vão lotar o email dela).

Minha pergunta foi sobre o tema q me "persegue" e que ja abordei aqui anteriormente, como e se deveria contar para o namorado sobre meu passado. Vale a pena assistir e ouvir o comentário de cada uma das "saias". Fiquei muito emocionada com a delicadeza e com a seriedade que elas trataram o tema.

A reprise do programa passa quinta 23/10 às 10h00 e as 14h00; sábado 25/10 às 23h00; domingo 26/10 às 05h00 e às 10h30 lembrando que a sessão de perguntas é no ultimo bloco, ou seja, quase no final do programa, mas vale a pena conferir o programa todo.

Segue abaixo a parte postada no youtube, com a pergunta/resposta dada pelas meninas à minha pergunta. Fantástico.

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Princesas e Rainhas


Tenho completo fascínio por princesas. Acho que quase todas as meninas tem. Amo aqueles vestidões, seus cabelos, seus palácios, desde pequena amava assistir Cinderela, Branca de neve, Bela adormecida, não era muito fã dos príncipes nao, o da Bela adormecida talvez, príncipe Filipe, era bondoso, bonito, forte e corajoso. Os outros pareciam muito bundões pro meu gosto rs.

Agora, princesas de verdade, reais e carnais, passei a admirar e a gostar da famosa princesa Diana de Gales, era mulher admirável e que não veio da nobreza, mas foi incorporada por ela, tendo sido muitas vezes mais nobre do que qualquer membro daquela família real, em seus gestos e projetos sociais e humanitários.

Mamãe ajudou muito a alimentar esse meu fascínio pela monarquia, por sermos descendentes de austríacos, ela contava a mim e a minha irmã, sempre a história da imperatriz Sissi (Elizabeth da Áustria) que viveu um conto de fadas, pois o então imperador, Franz Joseph estava prometido a irmã dela, Nanna, mas dias antes ele conheceu Sissi sem saber quem ela era, se apaixonou loucamente e na noite do baile de apresentação da noiva, ele escolheu Sissi ao invez de sua irmã. Ela foi amada e idolatrada pelo povo austríaco e por seu marido, existe uma trilogia sobre sua vida feita na década de 50, interpretada pela doce e bela atriz Rommy Schneider.

Mamãe também contava sobre a rainha Sílvia da Suécia, ela é filha de brasileira e morou em São Paulo no pós-guerra antes de regressar a europa e então tornar-se rainha, casando-se com o rei Carlos Gustavo. Ambos governam a Suécia até hoje, ela retorna constantemente ao Brasil, fala português fluentemente e ajuda em muitos projetos sociais. Tiveram três filhos, dentre eles duas mulheres, sendo a princesa Vitória, a primogênita e sucessora do trono. Não poderia esquecer de Grace Kelly, a linda atriz americana, ganhadora de Oscar, que largou uma carreira de sucesso em Hollywood para se tornar rainha e mãe, casando-se com o rei Rainier III de Mônaco, tendo tido três filhos, Caroline, Albert e Stéphanie.

E quanto a Máxima Zorreguieta? Máxima é argentina, tem 37 anos. Ora, mas se ela é argentina e na Argentina não existiu nem existe monarquia, o que ela tem haver com esse papo? Pois bem, Máxima além de linda é muito sortuda. Viveu um conto de fadas digno de filme da sessão da tarde. Em 1999, ela foi a uma feira de exposições em Sevilla na Espanha a passeio e lá conheceu um certo Alexander. Passaram dois dias agradaveis se conhecendo e ele não havia revelado ser príncipe. Quando o fez, ela achou que ele estava brincando, não levou a sério, mas mesmo assim trocaram telefone. Duas semanas depois, príncipe Alexander, herdeiro do trono da Holanda, foi até Nova York, onde Máxima trabalhava para o Deutsche Bank e a pediu em namoro. O namoro durou cerca de 3 anos, quando em 2002, casaram-se em Amsterdã. Hoje Máxima é mãe de três meninas e futura rainha. Uma brasileira quase realizou o sonho de tornar-se princesa, foi a modelo Adriana Lima, que namorou durante dois anos o príncipe Wenzeslaus de Liechtenstein, um pequeno país europeu. Mas, o relacionamento não deu certo.

Para encerrar, a minha princesa, hoje rainha, predileta, Rania Al-Yassin. A bela kuwaitiana da foto, 38 anos, formada em Admnistração, trabalhou no Citibank e na Apple Computadores. Quando em 1993, foi convidada a um jantar no palácio real da Jordânia, em Amã. Sem saber porque, mas não podendo recusar, compareceu. Quando então foi surpreendida por um jantar dado em sua homenagem, a sós, com o então príncipe e hoje rei da Jordânia, Abdullah bin Al-Hussein. Os dois tiveram uma paixão a primeira vista, casaram-se no mesmo ano e ela assumiu o posto de rainha em 1999, contrariando todas as leis e regras anteriores da monarquia jordaniana, onde a mulher continuava a ser princesa mesmo após o esposo subir ao trono. Rania é uma mulher admirável, que ajudou a tornar a Jordânia hoje, seguramente, o país árabe com maior democracia, liberdade e igualdade. Ela rege o país junto com seu esposo, representa a Jordânia em diversas ocasiões oficiais, como no último forum mundial econômico de Davos, na Suiça; também se destaque no que diz respeito aos direitos da mulher no mundo islã, é uma filantropa sem precedentes para o mundo árabe e foi considerada pela revista FORBES uma das 100 mulheres mais importantes e poderosas do mundo.

Eu não busco por um príncipe, sou mais pra um homem cheio de defeitos, sem frescuras sociais e de etiqueta, nem formalidades ou que precise de um conselho nacional para aprovar nossa união.

Foto: Rainha Rania da Jordânia, no fórum mundial econômico em Davos na Suiça em 2008, onde representou seu país.

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Carta de mim, ao meu eu do passado


Se você tivesse a chance de mandar uma carta ao seu eu do passado, o que escreveria?

"Olá Sarah de 1999,
escrevo para te alertar sobre algumas coisas e para te tranquilizar sobre outras, atente-se aos meus conselhos, podem poupar algumas (muitas) lágrimas. Primeiro, realmente se apegue a Deus e a seus pais, você está certa quanto a isso, a vontade de se rebelar contra Ele, é normal, todo mundo passa por isso em algum momento da vida, ainda mais com esse problemão que foi nascer, "por quê comigo?" sei que nos perguntamos isso várias vezes, "por quê não nasci uma mulher normal, como tantas por aí?" , não reze mais para morrer nem para ter câncer, isso vem do medo, do desespero e de não querer magoar papai nem mamãe. Ainda bem que Deus é bondoso e não ouviu esses desaforos.

Desista do vestibular de jornalismo, não é o que você quer, é bobeira, você vai se decepcionar, não vai estudar enquanto estiver em transição e só vai tirar você do seu foco. Realmente se dedique ao inglês, ao alemão, ao italiano e sabe essa sua vontade de cozinhar e de aprender receitas? Isso pode te render uma bela profissão no futuro, ou também informática, é, apesar de não ter computador ainda vai se tornar boa com ele (sem fazer curso algum, o que é ainda melhor).

Quanto as amizades, esqueça a C, a I, a Bombom... a primeira vai trair sua confiança, vai contar seu segredo pra todo mundo e falar mal de você pelas costas; a segunda não vai aceitar sua transição, provavelmente pq ela era apaixonada por esse corpo que voce nao gosta, e vai se afastar de você; a bombom, essa se perderá no mundo, nem sei do seu paradeiro. Mas sabe a Má? a Kate? o Rafa? o Bruno? Bom, nesses você pode entregar sua vida, seus segredos, seus medos e aflições, eles te amam de verdade, sao amizades que serão muito importantes neste longo caminho. Também surgirão novos amigos (e não menos importantes), mas não vou dizer o nome deles, para que não fique esperando por eles e sim para que os conquiste naturalmente.

O coração? Esse confuso e solitário coração? O Thiago você esquece, é coisa de escola, você vai achar ele feio quando se tornar eu. O Fernando, esse também, só vai te fazer sofrer, só vai te dar dor de cabeça e não vai valer a pena. O Gustavo, esse eu adoro até hoje sabe? Queria ter a amizade dele, mas acabamos perdendo contato, sei que ele mora na capital e está namorando firme a anos; O E.. (nao vou dizer o nome dele pelos mesmos motivos que não disse dos amigos) esse vai ser a primeira grande paixão da sua vida, uma coisa totalmente irreal, virtual, cheia de mentiras, cheia de sofrimento, mas com sentimentos verdadeiros, tanto que até hoje, anos depois, ainda lembro com carinho dele, e não se preocupe, eu já escrevi uma carta e pedi perdão por todo mal que você vai fazer a ele; Depois tem o José, ai ai ai, que coisa, não é Sarah? Sai fora; O L, se perderá no caminho da vida, mas ironicamente assim quis o destino!Finalmente, virá o C... (não preciso dizer pq não falei o nome né?), esse o primeiro homem da sua vida, seu primeiro amor, aquele que vai te marcar, e te trazer tudo de bom e feliz.
Não falei ainda quando você realizará seu grande sonho né? Calma, vai dar certo, sabe aquele pensamento que você acha bobo, mas têm? Que 87 foi um ano bom e 97 tb? Então, você não está sendo tão boba assim, 2007 vai ser o seu ano, e espero que a Anna de 2017 nos confirme isso. Não perca tempo se tratando na Gendercare, ali vai ser só seu trampolim, mas não invista ali, você perderá um tempo precioso, no maximo seis meses ok? Não tenha vergonha de comprar sapatos, calçar 41 nos dias de hoje não é o fim do mundo, muito menos de ter quase 1m80. Você vai passear na Europa em breve, vai adorar, vai ser muito importante pra você, vai voltar com outra mentalidade, acho que com a base da minha mentalidade de hoje. Não chore tanto, não tem necessidade, você está fazendo tudo certo, siga seu coração.

Vou encerrando por aqui, espero que você tenha ficado feliz com minha carta, tentei resumir ao máximo os acontecimentos desses anos todos e não pense que eu já tenho tudo que você almeja. Ainda não tenho um carro, nem um emprego legal, nem uma faculdade interessante (sim, relações internacionais você vai trancar)... Ta, não se estresse dona leonina, me fuzilando com esses olhos: "Que diabos você fez nesses 9 anos então?" ora bolas, eu finalmente consegui o que você mais queria, nos tornei Sarah.

Força e paz,
beijos
Sarah de 2008 (qse 2009)"


Foto: Kate Winslet, atriz britânica, uma das minhas atrizes prediletas, injustiçada por ter sido indicada a cinco Oscar e não ter ganho nenhum.

domingo, 12 de outubro de 2008

Uma família de berço


A importância da família em nossas vidas, é fundamental. Eu vou falar especificamente da minha, pois considero que graças a ela, eu tive meus problemas amenizados. Venho de uma família classe média alta/alta , bem estruturada, com pai, mãe e irmã mais velha. Meus pais ambos tem nível superior, tem uma história juntos muito bonita e graças a Deus, ela já dura mais de 30 anos.

Minha mãe teve dificuldades para ficar grávida de mim (sua segunda gestação), teve três abortos espontâneos, complicações, uma má formação no útero e após 7 anos, já estava desistindo de outro filho. Foi quando, eu decidi vir, ou melhor, quando Deus decidiu me mandar pra cá.

Não vou abordar hoje minha infância ou adolescência, ambas foram conturbadas e traumáticas, merecem um post a parte no futuro (ou não).

Estudei em colégio particular católico minha vida toda, fiz cursos de idiomas desde pequena (sendo hoje fluente em duas), todo tipo de esporte, teatro, tudo que eu queria, eu fazia. Na adolescencia passamos por uns momentos complicados de dinheiro que coincidiu com o inicio da minha transição, o que não foi fácil, não tinhamos mais plano de saúde, nem dinheiro para psicólogos. Comecei a trabalhar e usava o dinheiro do meu salário para comprar os hormônios e fazer acompanhamento com uma endocrinologista.

Com trabalho e união, a maré virou, voltamos a nossa situação financeira de sempre e aí sim, as coisas realmente "deslancharam". Uma transição custa caro, são despesas com laudos, com médicos, exames, hormonização, laser, depilação convencional, comprar um guarda-roupa completamente novo (do zero, inclusive sapatos), além de maquiagem, bijuterias e etcs. Meus pais nunca se negaram a me ajudar, podem ter ficado neutros no começo, esperando que aquela "fase" passasse, mas nunca me impediram ou proibiram de fazer o tratamento, lembro das palavras do meu pai "queremos que você seja feliz, nao importa como." Aquela, foi a maior demonstração de amor que poderia esperar deles.

Quanto a cirurgia CRS, eles sempre souberam que eu queria fazer, mas disseram que não ficariam tranquilos com uma cirurgia feita no exterior, pelos riscos, "n" coisas que poderiam acontecer e o médico estaria em outro país e as vezes não tão acessível. Uma amiga próxima havia se operado com Dr. Cury no interior de SP, acompanhei todo seu pós-operatorio, ela se dizia bem satisfeita. Comentei com meus pais, na mesma semana fomos até lá, conversamos, vimos fotos e já saí de lá com a minha data agendada. Não precisei me preocupar com dinheiro e vejo que este é um dos maiores, senão o maior obstáculo para as outras.

Tenho minhas brigas com meus pais, como toda filha os tem, mas não deixo de agradecer a Deus, um só dia, por ter me dado pais tão maravilhosos e amavéis quanto esses. Meus próximos passos agora (com a retificação civil já obtida) são, colocar silicone no seios, fazer uma universidade e poder finalmente trabalhar em algo que me seja prazeiroso e rentável, para um dia poder devolver aos meus pais todo esse dinheiro investido em mim.

É por isso que considero minha família, uma família de berço. Não pelo dinheiro que temos, ou pelos carros, pelas viagens ao exterior... E sim por sua união. Por sua compreensão e amor incondicional. Pelos valores que essa família me deu. Quisera todos os pais fossem assim.

Foto: Seriado americano "Brothers & Sisters" que fala das desaventuras de uma família excepcional.

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Mamma Mia!


Acho que ainda não havia comentado aqui, meu lado cinéfila. Para os que não sabem, a cinefilia é o gosto pelo cinema e o interesse demonstrado por tudo aquilo que se relaciona com a sétima arte. Portanto, eu amo filmes e vou falar muito deles por aqui.

Minha dica de hoje, é para o magnífico "Mamma Mia" que está em cartaz nas salas de cinema. A muito eu já sabia do musical homônimo que está em cartaz na Broadway desde 1999, reuniram os maiores sucessos do ABBA, tentaram fazer uma história com a letra das músicas e deu certo, o musical faz sucesso com público e com os críticos, desde sua estréia. Fazer uma adaptação para o cinema, mesmo que para um filme musical, é um dilema, haverão comparações inevitáveis e repetir o sucesso dos palcos, é improvável. Tom Hanks (sim, ele mesmo) estava a frente da produção do filme junto com outros amigos e a escolha na direção do filme, que ficou com a britânica Phyllida Lloyd, foi muito arriscado, afinal, apesar de trabalhar na televisão a anos, é o primeiro filme dirigido por ela.

Mas (sempre tem um "mas"), não é que deu tudo certo? O filme custou U$ 52 milhões e já faturou, em todo o mundo, mais de U$ 500 milhões. É a maior bilheteria e arrecadação para um filme musical, foi a primeira vez desde 1986 que todos os integrantes do ABBA foram vistos juntos novamente, na pré-estréia do filme, junto com o elenco em Julho 2008. E vários críticos e jornais, dão como certa a indicação para um Oscar a Meryl Streep no papel da doce e divertida Donna.

Minha opinião? Mamma Mia! é daqueles que mesmo para quem não gosta de musicais, encanta, diverte, você sai do cinema flutuando, cantando, dançando, realmente empolgado! A indicação de Meryl, pra mim, é certa. Trilha sonora, também deve levar indicação e adoraria vê-lo entre os indicados também a melhor filme, seria a primeira vez desde Cabaré, de 1972.

Baixem a trilha sonora do filme, todas músicas do ABBA cantadas pelo elenco, e eu com meus 24 anos, sei canta-las todas e é o cd q nao sai do meu carro nem do meu iPod e posso garantir, vai levantar o astral do seu dia.

Clique para baixar a trilha sonora

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Documentário "Meu eu secreto" - Parte Final

Na última parte do documentário, vemos um caso feminino-para-masculino de um jovem de 17 anos, Jeremy. Também uma explicação rápida e simplificada pela Dra. Joe Olsen, do processo hormonal nos dois casos da transição.

video

Foi muito enriquecedor para mim traduzir e assistir esses vídeos, aprendi ainda mais sobre o problema que tive/tenho. Espero poder ajudar de alguma forma tambem a quem assista. Quem sabe agora, com meus documentos retificados, voltar a estudar, me tornar uma biocientista ou geneticista e me dedicar ao estudo das síndromes e doenças sexuais. Quem sabe...

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Documentário "Meu eu secreto" - Parte 4

Na quarta e penúltima parte do documentário, conheceremos Riley mais a fundo, a inveja que sente de sua irmã gêmea ter nascido como ela queria, normal, e as opressões e agressões que sofre na escola, por ser quem é. Acho que todas(os) ou quase todas(os) nós, transgêneros, passamos por esse problema na escola.

video

Na próxima e última parte, veremos a transformação de Rebecca em Jeremy (FtM), que escreveu uma carta para os pais, dizendo que apesar de ter nascido menina, sempre se sentiu menino.

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

Documentário "Meu eu secreto" - Parte 3

Na terceira parte do documentário, conhecemos Riley, uma doce menina de 10 anos, que sofre desde muito pequena com seu corpo. Após tentativas de mutilação e de suicídio, o apoio dos pais e dos profissionais fazem com que hoje ela esteja em transição de masculino-para-feminino. Uma frase da mãe de Riley que me tocou bastante é "Ela tem um defeito de nascença, e eu não consigo imaginar um pior para uma mulher, do que nascer com um pênis." Acompanhem,
video

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Documentário "Meu eu secreto" - Parte 2

Nesta segunda parte do documentário, veremos mais a fundo a história da pequena Jess, de apenas seis anos, e que tem o apoio dos pais na transição de masculino-para-feminino sendo um exemplo de coragem e de amor. A resposta da mãe de Jess para os que os culpam ou criticam como tratam a filha, é forte e verdadeira, e a chocante pergunta de Barbra "Você lamenta não ter mais o seu filho?" leva Renée às lágrimas, acompanhem,

video

Related Posts with Thumbnails